Passo a passo para exportar e ganhar novos mercados

Passo a passo para exportar e ganhar novos mercados

Muitas empresas que desejam exportar seus produtos, ou que já iniciaram de forma tímida ou eventual suas vendas para o exterior, têm dúvidas sobre por onde começar e de que forma se organizar.

Para este momento de tomada de decisão, a Interseas preparou este post com um passo a passo para exportar que vai te ajudar a entender sobre esse processo, afinal, internacionalizar requer planejamento, conhecimento de mercado e preparação.

 

  1. Habilite sua empresa no Radar Siscomex

Radar é o Registro e Rastreamento da Atuação dos Intervenientes Aduaneiros e é através dele que a Receita Federal avalia se a empresa possui estrutura e condição financeira para realizar tanto importações como exportações. A habilitação no sistema é o primeiro passo para realizar operações de comércio exterior e com isso a empresa pode acessar o Siscomex, o Sistema Integrado de Comércio Exterior, por onde a RFB realiza o controle aduaneiro das importações e exportações do país. Neste post você pode entender com mais detalhes o Sistema Radar

 

  1. Faça prospecção de mercado

A prospecção de mercados no exterior é um requisito básico para dar início às exportações de um produto. Isso porque ela fornece informações que serão essenciais para o planejamento da operação, como a demanda em determinados locais pelo seu produto, os concorrentes (locais e estrangeiros) e os preços praticados.

Conhecer a cultura regional é fundamental para entrar em um novo país e conseguir realizar suas operações com segurança para consolidar as vendas. Dessa forma, também é importante entender as estratégias locais de marketing, pois nem tudo o que funciona no mercado brasileiro pode ter a mesma aceitação em outros países. 

 

  1. Conheça as regras do país e os acordos comerciais

Estar atento às normas brasileiras para exportação é muito importante, mas também é necessário observar as regras de outros países para a entrada de produtos, barreiras alfandegárias, tratamentos tarifários e não-tarifários e exigências para rótulos e embalagens. Estas tarefas têm a finalidade de adequar suas mercadorias à nova realidade, para que você não tenha problemas legais.

Verifique a existência de acordos comerciais entre o Brasil e o país de destino, pois talvez seja necessário emitir um Certificado de Origem. Mais do que comprovar a procedência da mercadoria, o documento pode reduzir a alíquota do imposto de importação para seu cliente importador, deixando seu produto chegar ao destino com um valor mais atrativo. 

Uma maneira de obter essas informações é participar de missões comerciais, feiras e eventos de negócios. A Apex-Brasil é uma organização que facilita ações para promover empresas brasileiras no exterior e realiza missões prospectivas e comerciais, rodadas de negócios, além de apoiar a participação de empresas brasileiras em grandes feiras internacionais.

 

  1. Informe-se sobre os INCOTERMS

Os INCOTERMS são termos internacionais de comércio que definem os riscos e custos de cada envolvido nas operações de exportação e importação. Para padronizar estas regras, desde 1936 a International Chamber of Commerce (ICC)  publica os International Commercial Terms, ou Termos Internacionais de Comércio, chamados pela sigla INCOTERMS.  Estes padrões são revisados periodicamente, estando em vigência a versão 2020

 

  1. Elabore seu preço de exportação

Uma série de fatores na operação de exportação podem influenciar no preço final da sua mercadoria. Os INCOTERMS, que já citamos, são fundamentais para elaborar de forma adequada a composição do preço de um produto no exterior. Isso porque dependendo do caso, você precisará considerar valores de seguro, locais de entrega, contratação de transportadores, entre outros. 

Alguns fatores que também influenciam diretamente no preço da mercadoria você vai descobrir já na etapa de prospecção e devem ser considerados, como mercado local, concorrência e demanda pelo produto.  

Atentar à legislação, tanto local quanto brasileira, para a possibilidade de isenção, suspensão ou não incidência de tributos sobre a sua mercadoria também são pontos que influenciam no preço final. 

Definir o modal adequado para sua carga, fazer a cotação de frete e seguro, além da armazenagem, podem pesar no preço do produto. Dedique tempo e contemple todas as variáveis.

 

  1. Classifique corretamente sua mercadoria

Outro fator que pode interferir diretamente nos custos finais da exportação é a classificação da mercadoria na Nomenclatura ou Classificação Fiscal do Mercosul (NCM). Estes códigos ordenam as mercadorias de acordo com sua natureza e características e classificam os itens seguindo os regulamentos do Mercosul. A NCM é composta por oito dígitos, sendo que os seis primeiros são classificações do SH (Sistema Harmonizado de Designação e Codificação de Mercadorias) e os dois últimos correspondem às especificações próprias do Mercosul. 

É possível pesquisar os códigos NCM no site da Receita Federal, pela descrição do produto ou pesquisando de acordo com os códigos de capítulo, posição, subposição, item e subitem. Mas existem regras específicas de classificação que devem ser observadas e é importante estar atento à classificação fiscal  adequada em todos os documentos, desde o preenchimento de documentos fiscais até despacho aduaneiro. Uma falha pode trazer consequências financeiras incômodas para os exportadores.

 

  1. Organize a documentação

Confirmado o pedido, agora é a hora de organizar a documentação necessária para que a exportação ocorra sem problemas. É necessário que alguns documentos acompanhem a mercadoria para formalizar a relação contratual entre o exportador e o comprador.

Com estes documentos em mãos, o despachante aduaneiro dará início à operação de exportação, emitindo um documento essencial para o processo ser realizado com sucesso: a DU-E (Declaração Única de Exportação). Não esqueça que seu contrato comercial com o cliente é muito importante, e mesmo a distância é possível acompanhar as etapas do seu processo de exportação (cabe linkar no o nosso sistema). Você pode manter seu cliente informado até que ele receba seu produto no país de destino.

Com tantas etapas e detalhes para prestar atenção, o envolvimento de profissionais capacitados para te auxiliarem nesse processo é fundamental. A Interseas é uma empresa com conhecimento dos processos de engenharia aduaneira, o que permite a tranquilidade e confiabilidade na operação. 

Conheça nosso e-book sobre redução de custos nos processos de exportação e importação. E não se esqueça: para acompanhar mais conteúdos como este e ter sucesso nos negócios internacionais, siga a Interseas no Facebook e LinkedIn

 


Publicado em 13/5/2020 | Categoria(s): Exportação
Tags: , , ,


Faça seu Comentário